Caso alguma imagem do blog não esteja aparecendo, por favor, avise nos comentários da postagem em questão!

31/03/2014

Livro - Doctor Who: Shada

Alados, que livro mais perfeito é esse? Nossa, eu amei muito, e já vou começar a postagem dando uma dica: mesmo que você não saiba nada sobre Doctor Who, pode ler o Shada sem problemas, só se prepare para se apaixonar pelo Doutor quando terminar, não há escapatória!
Para quem não sabe, o livro "Doctor Who: Shada" foi originalmente escrito por Douglas Adams como um roteiro para um arco de seis episódios (arcos são espécies de episódios grandes divididos em partes) da temporada clássica da série britânica "Doctor Who", na época do quarto Doutor, o Tom Baker. O arco não foi ao ar por problemas que aconteceram na BBC. O elenco ficou muito triste pelo cancelamento, mas o Douglas ficou contentíssimo pois, por causa da pressa em que precisou escrevê-lo, achava que a história não estava tão boa quanto poderia estar.
Anos e anos depois, Gareth Roberts, que é roteirista de DW e também já escreveu vários livros baseados no mesmo seriado, resolveu reformar a história, adaptando-a para o formato de romance. Ele procurou aparar as arestas da trama de uma forma que o próprio Douglas ficaria satisfeito, caso ainda estivesse vivo.
O resultado, é claro, foi mais do que fabuloso! Como todo arco ou episódio da série, o livro passa aquela dose especial de adrenalina, e tem um enredo impecável. Hoje farei para vocês minha "resenha" (que não é resenha coisa nenhuma), contando tudo o que me chamou a atenção durante a leitura. Espero que gostem e que se sintam animados a ler essa aventura também!

Doctor Who: Shada, Gareth Roberts (Douglas Adams):

Começo a opinião, é claro, com os aspectos físicos. Não tenho nada a reclamar, a capa é linda, a diagramação está ótima, tenho que dar meus parabéns à Suma de Letras nesse quesito (reparem que o elogio é sincero, a Suma não é parceira do DSA, nem nada parecido). Claro que eu sou um pouco suspeita para falar sobre o livro por ser uma Whovian de coração, embora ainda seja uma fã recente. Na verdade, eu tinha ficado com receio de não entender o livro por nunca ter assistido os episódios do quarto Doutor (na temporada clássica, ainda estou no primeiro). Mas a leitura foi super tranquila, pois todas as coisas são explicadas de forma tão clara que até os "leigos" são capazes de entender. Claro que pretendo reler o Shada no futuro, assim que conhecer melhor o quarto Doutor e a Romana, para poder imaginar as cenas como se eles estivessem atuando.
Bom, já me prolonguei muito (como podem ver, tenho muito a falar sobre esse livro... hehe), vamos à minha opinião de uma vez:

Trecho do livro:

    "Chris estava perplexo. Como alguém poderia ser capaz de ler tantos livros? Na certa precisaria de várias encarnações.
    Mas por mais extremo que o caso parecesse, ele estava habituado às excentricidades dos professores de Cambridge. Ele até tentou não reagir à outra coisa, na verdade muito mais estranha, que havia diante de si no canto oposto da sala.
    Uma cabine de polícia.
    Há anos que Chris não via uma daquelas, e com certeza não esperava se deparar com uma ali. Em suas viagens a Londres durante a infância, era muito comum ver cabines de polícia pelas esquinas da capital. Como qualquer cabine de polícia, esta era alta, azul, gasta e feita de madeira, com uma lâmpada no alto e um aviso na porta, atrás do qual havia um telefone. O mais estranho a respeito desta cabine em particular, além do simples fato de estar ali, era que sob sua base dava para ver as pontas de vários livros achatados, como se, de alguma forma, ela tivesse caído de uma altura enorme. Chris até ergueu o olhar para as vigas baixas do teto para conferir se não fora isso mesmo que acontecera. De jeito nenhum aquilo teria passado pela porta da frente".

Opinião pessoal:

Estão reconhecendo o que está sendo descrito no trecho acima? É nada mais, nada menos do que a nave mais fabulosa da ficção: a famosa TARDIS. Para quem acompanha o seriado é uma emoção sem igual ler as descrições desse livro. Só o fato de ser uma história do melhor personagem de todos os tempos já é suficiente para nos deixar babando! Como já disse lá em cima, ainda não conheço o quarto Doutor, mas sei que é um dos mais queridos; e já tinha ouvido falar bastante de seu famoso cachecol multicolorido... hehe.
Uma das coisas que mais me chamou a atenção é que pelo livro podemos saber mais sobre algumas sensações que na série não ficam explícitas, como é o caso da hora em que a Clare se encontra com o Doutor e sente certo fascínio por sua figura. Claro que nós Whovians entendemos perfeitamente o que ela sentiu... hehehe. E também o Chris fica abobalhado ao ver a Romana (se bem que, pelo visto, ele é abobalhado por natureza...)
É possível perceber o toque do Douglas Adams em alguns diálogos, onde notamos a presença de seu humor inteligente. Também há referências da obra do escritor quando se menciona, por exemplo, o planeta Betelgeuse e o próprio livro "O Guia do Mochileiro das Galáxias" (aliás, amei essa jogada... hehe); sem contar no clássico toque de dar personalidade às máquinas, como podemos notar através da Nave do Skagra.
Aliás, a Nave foi uma das personagens que eu mais gostei, ela é um atrativo à parte. Também amei o Professor Chronotis (um velhinho tão simpático!), e principalmente depois que descobri a história completa dele. O Skagra não é exatamente o que eu classificaria como um "vilão amável", tampouco "odiável". Diria que ele apenas serviu para o propósito do arco. O K-9 eu já conhecia da própria série (pelo dia em que a Sarah Jane visitou o décimo Doutor), a Romana tem aquele jeito clássico dos Time Lords, ainda não a conheço o suficiente para manifestar minha opinião.
Também tem a dose de romance com o Chris e a Clare. Para mim eles não foram personagens marcantes, mas sei que quem gosta da parte mais "melosa" das histórias vai se encantar com o casalzinho, com certeza.
Acabei descobrindo pelo livro coisas sobre a TARDIS que, honestamente, ainda nem tinha ouvido falar. Claro que tem o fato de que os livros não são considerados "canônicos" pelos fãs das séries, mas como ele foi escrito originalmente como um roteiro e foi adaptado por um dos nomes importantes da série atual, acho que posso confiar nas informações que foram passadas.
Enfim, as emoções foram se desenrolando de forma agradavelmente vertiginosa e o desfecho foi criativo e bem amarrado. Poucas vezes eu aplaudo o final de um livro, e essa é uma das exceções. Muito bom, deixou aquela sensação de querer mais umas mil páginas de continuação (não por ter ficado vago, mas sim por não querer que a história acabasse). Acho que todo mundo que gosta de ficção científica deveria ler "Doctor Who: Shada", podem confiar no que eu digo!

Agora estou lendo o famoso livro físico "A Guerra dos Tronos". Como ele é bem grande, já sabem que teremos vários livros da Amazon antes que eu consiga terminar de lê-lo, né? Hehehe...

Para saber minhas opiniões sobre os demais livros que já li, clique aqui.

Beijinhos Alados,
0 Comentários
Comentários

Comente!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts relacionados