Caso alguma imagem do blog não esteja aparecendo, por favor, avise nos comentários da postagem em questão!

17/07/2013

Entrevista DSA com Alessandra Marchi Carrasco

Hoje vamos conhecer mais uma das autoras que está no livro "Amores Impossíveis", junto comigo, em mais uma entrevista DSA!
Mas antes, preciso convidar a todos a conferir o décimo terceiro post da campanha "Queremos ler Doce Sonho Alado". Sou muito grata a todos os blogueiros que reservam um espacinho para o meu livro, e com este blog não poderia ser diferente:


Lembrando que, caso você tenha um blog (não importa o assunto que ele aborda), e quiser ajudar na campanha, basta entrar em contato comigo e enviarei o material necessário para que você possa fazer o post.

Entrevista DSA com Alessandra Marchi Carrasco:

Queria eu poder fazer entrevistas com todos os novos autores ganhadores do CLEC 2012! O que me deixa feliz é que consegui entrar em contato com praticamente todos e, de certa forma, saber um pouco mais sobre quem são e o que gostam.
Quando eu pensava que não conseguiria falar com mais nenhum integrante da nossa antologia, veja só que surpresa: consegui entrar em contato com a Alessandra e ela, prestimosamente, respondeu as perguntas da entrevista com muito carinho.
Depois das entrevistas com a Francine, o Wellington, a Fabiane, a Vanessa, o Ricardo, o Wesley, a minha louca entrevista comigo mesmo, a Lu Franzin, a Graci Rocha e a Vivian; saberemos um pouco mais sobre quem é a Alessandra. Espero que todos tenham uma leitura agradável e que curtam as respostas e os comentários!

Perguntas:

DSA: Antes de tudo, queria parabenizá-la por estar conosco no livro "Amores Impossíveis"! Como foi para você participar do CLEC? Escrever o conto foi uma tarefa fácil ou exigiu um certo esforço?
Alessandra: Foi muito legal participar do concurso, tenho uma história engraçada, mas vou deixar para a terceira pergunta. Escrever é sempre muito difícil e trabalhoso, no entanto, os textos e as ideias aparecem na minha cabeça e eu simplesmente não consigo não escrever; escrevo no celular, acordo à noite para escrever alguma frase ou ideia, uma loucura. Mas esta é só a primeira fase, o desenvolvimento do texto, a lapidação da história e a revisão para mim são as partes mais “chatas”, pois não se trata mais da descoberta da história e dos personagens, é uma parte mais técnica de distanciamento do texto.

Comentário pessoal: eu concordo apenas na parte da revisão. Acredito que no momento em que começamos a estruturar a história é a magia da ideia tomando sua forma. Mas é aquilo, cada escritor tem sua visão da arte de escrever. Fiquei imaginando aqui você tendo uma ideia e correndo atrás de papel e caneta... hehehe...

DSA: Agora conte-nos o que levou você a querer ser escritora. Foi um sonho de infância ou algo mais recente?
Alessandra: Sempre gostei muito de ler e queria ser jornalista. Recentemente lembrei que ganhei o segundo lugar de um concurso de poesia na escola, interessante como tinha me esquecido. Enfim, após muitos bloqueios de escrita, descobri que quero ter liberdade para escrever minhas ideias e opiniões; além disso, todo este ambiente ficcional e suas possibilidades me agrada muito.

Comentário pessoal: como sempre percebo que todo escritor (ou aspirante a) tem aquela paixão pela leitura e/ou a escrita desde a infância... isso e o fato de sermos todos grandes sonhadores (será que posso ousar dizer sermos?).

DSA: Agora uma pergunta mais descontraída: tem alguma situação inusitada ou curiosa que você já passou que gostaria de nos contar? 
Alessandra: Minha reação ao descobrir que fui selecionada pelo CLEC foi engraçada; eu havia me inscrito em vários concursos sem ganhar nenhum, por isso meio que desencanei. Quando chegou o e-mail comunicando que meu conto iria participar da Antologia, fiquei muito surpresa, quase em choque, ficava repetindo: “puxa vida, puxa vida…”. Depois fiquei em dúvida, não sabia qual dos dois contos iria participar; foi incrível descobrir que seriam os dois. É interessante, mas alguém só é considerado escritor depois que publica, então agora já sou escritora… você também!

Comentário pessoal: vão todos me chamar de fresca agora (eu sei que vão, até porque eu sou um pouco fresca mesmo) mas ainda não consigo me considerar completamente escritora. Sei lá, acho que só quando todos começarem a ler o "Doce Sonho Alado" que vai cair a ficha... algo que, aliás, parece demorar uma eternidade. Já me disseram que ser escritor é algo que precede a publicação, que depois de se ter um livro à venda a pessoa é apenas um "escritor publicado", mas não sei não... Talvez eu pense assim só por causa da minha vontade de ver o DSA existindo fisicamente.
E quanto a sua reação, fiquei me lembrando da minha própria reação quando vi a postagem com o resultado final do CLEC. Primeiro porque eu pensava que aquele dia não chegaria nunca, depois senti o nervosismo chegar até a ponta dos dedos quando comecei a ler a lista de selecionados. Eu sabia que não seria tão ruim não estar lá (é um concurso, alguém tem que perder, ué!), porém, ver meu nome entre os outros foi gratificante

DSA: Eu já declarei aqui no meu blog que sou maníaca por histórias, sejam elas quais forem. Conte para nós: de quais livros, séries e filmes você mais gosta? Se você de repente virasse um personagem fictício, em qual desses"mundos" gostaria de estar? 
Alessandra: Puxa, sou super eclética e viciada em filmes e livros; meus preferidos dependem muito da fase. Mas gosto em especial do Brás Cubas, do Machado, e do filme Amélie Poulain. Nem sei se são meus favoritos, mas eles sempre veem à minha mente nestas horas… depois fico lembrando de vários!

Comentário pessoal: verdade, às vezes nos dá aquele "nox" na hora de falar sobre determinada coisa; e depois, quando já não precisamos mais nos lembrar delas, as verdadeiras coisas que nós falaríamos chegam como se estivessem atrasadas para um compromisso... hehe...

DSA: Me conte uma coisa sobre você que você nunca contou no mundo virtual.
Alessandra: Sou uma pessoa de extremos “8 ou 80”, é difícil me definir às vezes. Por exemplo, sou desorganizada e obsessivamente organizada ao mesmo tempo; ou seja, bagunço minhas coisas ao extremo, então jogo tudo no chão, separo e arrumo tudo; é um ciclo vicioso e engraçado. Quando estou viajando tenho mania de ficar arrumando minha mala, que está sempre bagunçada, algumas vezes tiro tudo e coloco de novo duas vezes por dia...

Comentário pessoal: certamente uma mulher antagônica... hehehe... mas eu gosto desse mundo de contrário, várias coisas em mim são contraditórias (como já falei aqui algumas vezes).

DSA: O que você mais gosta de fazer em seu tempo livre?
Alessandra: Assistir filmes, escrever, ler, viajar, conhecer lugares e pessoas novas.

DSA: Para você, o que um livro precisa ter para ser considerado bom?
Alessandra: Ter uma história bem amarrada e ter profundidade, ele precisa me tocar de alguma forma, prender a minha atenção. Gosto de ficar pensando depois sobre o texto e suas diferentes possibilidades.

Comentário pessoal: primeira vez que alguém responde a essa pergunta da entrevista de forma direta, sem falar antes que é um assunto relativo!

DSA: Se pudesse mudar algo na realidade brasileira, o que seria?
Alessandra: Na verdade vou falar duas coisas, que de alguma forma estão ligadas, a corrupção e a violência, acredito que o resto melhora junto com este pacote.

DSA: Você tem alguma meta para o ano de 2013? Ou prefere que as coisas aconteçam naturalmente?
Alessandra: Tenho muitas metas, rsrsrsrs. Estou estudando cinema, quero trabalhar na área como diretora; além disso, pretendo publicar meu primeiro romance (já está pronto!) e começar o segundo livro. Também preciso ficar fluente em alemão.

Comentário pessoal: espero que seus objetivos sejam alcançados da melhor forma possível, estou torcendo por você!

DSA: Se você pudesse dar um presente material bem caro a si mesma, o que seria? Por quê?
Alessandra: Uma volta ao mundo, ficaria um ano viajando, filmando e escrevendo. Acho que viajar é a melhor maneira de conhecer outras culturas e pessoas, sou fascinada pelo diferente. Quando me deparo com tudo aquilo que não sou, sempre descubro coisas novas sobre mim e sobre o mundo.

Comentário pessoal: seria uma jornada perfeita para uma escritora, afinal de contas, tudo isso traria certamente muitas ideias novas!

E o Kiko?

Essa parte da entrevista consiste no seguinte: eu enumero algumas palavras e o entrevistado marca uma opção de acordo com o grau de importância que isso tem na sua vida.

1 - Internet:
(x) Não vivo sem.
(  ) Me importo.
(  ) Sou indiferente.
(  ) Não me importo.
(  ) Desprezo totalmente.


2 - Lutar pela preservação do meio ambiente:
(  ) Não vivo sem.
(x) Me importo.
(  ) Sou indiferente.
(  ) Não me importo.
(  ) Desprezo totalmente.


3 - Política:
(  ) Não vivo sem.
(x) Me importo.
(  ) Sou indiferente.
(  ) Não me importo.
(  ) Desprezo totalmente.

4 - Esportes:
(x) Não vivo sem.
(  ) Me importo.
(  ) Sou indiferente.
(  ) Não me importo.
(  ) Desprezo totalmente.


5 - Redes Sociais:
(  ) Não vivo sem.
(x) Me importo.
(  ) Sou indiferente.
(  ) Não me importo.
(  ) Desprezo totalmente.


6 - Celular/Telefone:
(x) Não vivo sem.
(  ) Me importo.
(  ) Sou indiferente.
(  ) Não me importo.
(  ) Desprezo totalmente.


7 - Televisão:
(  ) Não vivo sem.
(  ) Me importo.
(x) Sou indiferente.
(  ) Não me importo.
(  ) Desprezo totalmente.


8 - Notícias da atualidade:
(  ) Não vivo sem.
(x) Me importo.
(  ) Sou indiferente.
(  ) Não me importo.
(  ) Desprezo totalmente.


9 - Religião/Deus:
(  ) Não vivo sem.
(  ) Me importo.
(x) Sou indiferente.
(  ) Não me importo.
(  ) Desprezo totalmente.


10 - Livros:
(x) Não vivo sem.
(  ) Me importo.
(  ) Sou indiferente.
(  ) Não me importo.
(  ) Desprezo totalmente.


Ping-Pong:

Agora vamos à um ping-pong, responda com uma palavra (ou uma frase):

Escrever é - fundamental
Fico irritada quando... - as pessoas falam uma coisa e fazem outra
Futuro - a fantástica incerteza
Família - amor e a certeza que não estou só
Sucesso - trabalhar com aquilo que realmente gosto
Um medo - que as coisas não deem certo
Um sonho - viver da e para minha arte
Essa entrevista para mim foi - reveladora
Amores Impossíveis é - oportunidade
A Alessandra é - uma sonhadora idealista.


Muito obrigada, Alessandra, pela entrevista incrível! Se você leu até aqui, significa que se interessou de alguma forma pelo seu trabalho, então não deixe de visitar o link abaixo:


Espero que tenham gostado da entrevista de hoje, em breve teremos mais, não percam!

Para conferir todas as entrevistas, clique aqui.

Beijinhos Alados,
0 Comentários
Comentários

Comente!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts relacionados