Caso alguma imagem do blog não esteja aparecendo, por favor, avise nos comentários da postagem em questão!

12/07/2013

Mais detalhes da minha opinião sobre os contos (Amores Impossíveis)

Queridos alados, quarta-feira eu havia falado sobre a antologia "Amores Impossíveis", livro de contos que já está publicado e conta com a minha participação com o conto "Sonho Inalcançável". Hoje falarei sobre ele (ou parte dele) de maneira mais detalhada.
Antes de chegar ao post, entretanto, quero anunciar que já foi publicado o décimo post da campanha "Queremos ler Doce Sonho Alado". Fico feliz que cada vez mais blogs estão aderindo a ela e, de certa forma, me ajudando a divulgar mais o meu livro. Inclusive, neste caso, não fui eu quem a convidou a participar da campanha, ela leu sobre a campanha em outro blog e quis ajudar. Isso foi lindo, não? Se quiser ler a postagem, clique no link abaixo:


Lembrando que se você tiver um blog e também quiser me ajudar com a campanha, é só entrar em contato comigo que mandarei o material!
Agora, voltando a postagem de hoje, deixe-me explicá-la: como precisei fazer comentários breves sobre cada um dos contos de "Amores Impossíveis" (falar de dezesseis histórias não é nada fácil!), percebi que poderia fazer algo mais elaborado para os autores, tanto como uma forma de divulgar ainda mais o nosso livro, quanto para dar um certo feedback a meus companheiros. Portanto, entei em contato com alguns deles e, aqueles que deram seu OK, terão uma análise mais profunda dos seus contos no post de hoje.
Mas, antes de começar, convido a todos que ainda não viram a postagem geral da obra, visitem a postagem de quarta-feira. Vale a pena saber mais sobre esta obra tão querida!

Diretrizes para a leitura deste post:

Antes de começar a minha análise, quero deixar uns pontos bem claros; tanto para que vocês entendam o que quero dizer, quanto para os autores entenderem melhor a minha opinião:
  1. Eu não sou especialista em coisa alguma, saibam que aqui estarão apenas as minhas impressões pessoais. Por favor, não pensem que estou menosprezando o trabalho de ninguém. Ao contrário, dou minha palavra de que todos os textos da obra são de excelente qualidade;
  2. Todos os contos desta obra foram escritos no ano passado, ou seja, todos nós escritores já evoluimos muito na nossa forma de escrita. Eu mesma enviei o meu conto antes de terminar e revisar o "Doce Sonho Alado", é assustadora a diferença dos meus escritos de hoje em dia para com os da época em que participei do concurso. Tenho certeza de que muitas das coisas que falarei poderiam ser diferentes caso os autores reescrevessem seus contos atualmente;
  3. Não levem 100% a sério tudo o que eu falo. Eu simplesmente não sei escrever aqui no blog sem uma pequena dose de humor;
  4. Eu sou o tipo de pessoa que prioriza a história em si, não a estrutura como foi escrita. Para mim, nada é melhor do que uma boa ideia;
Dito isso, agora vamos a uma análise mais detalhada.

Mais detalhes da minha opinião sobre os contos:

É difícil para qualquer pessoa dar uma opinião sobre algo (um livro, um conto, uma música, etc) sendo 100% imparcial. Eu também não consigo. Antes de tudo, saibam que o que direi aqui são minhas impressões pessoais, a maioria das opiniões são pautadas no meu gosto pessoal, o que significa que você pode gostar do que eu não gostei; ou não gostar do que eu gostei.
Sem mais delongas, vamos a análise (não está pela ordem do livro, está na ordem que eu anotei):

Lembranças - Fabiane Stela Finger:

No post anterior eu disse que este conto lembrou-me a novela "Amor e Revolução" e as manifestações que estão acontecendo hoje em dia. Só queria retificar que só lembrei da novela porque se trata de um enredo da mesma época histórica abordada no conto (a Ditadura Militar); e também por se tratar do amor de um soldado por uma guerrilheira. Mas é só isso, de resto não há mais nada parecido.
O tema abordado é realmente bastante forte, creio que apenas quem tem uma certa noção do que acontecia nessa época entende a magnitude do problema que é um militar se apaixonar por uma guerrilheira. E as torturas a que os manistantes eram submetidos, nossa! Eram terríveis, simplesmente desumanas.
Falando em torturas, teve um momento do conto em que esqueci que ela ainda estava machucada... Não sei se foi por falta de atenção minha (pode ter sido... provavelmente foi).
Eu gostei da hora em que podemos ver a perspectiva da Samantha também, queria que houvesse pelo menos mais um trecho com a visão dela. Imagino que isso aconteceu porque nós tínhamos um limite de caracteres para escrever, talvez o conto ultrapassasse o tamanho exigido, caso tivesse mais uma passagem assim.
De resto, acredito que ficou bem equilibrado: nem tão histórico a ponto de ficar modorrento, e nem tão meloso a ponto de me fazer vomitar. Hehehe...

Uma carta, um engano, um amor - Aline Soares:

Já disse que achei super inovador o fato de ser abordado o amor em uma faixa etária que comumente não é utilizada, a "terceira idade" (ou a "melhor idade", como alguns preferem dizer). Não tenho muito a criticar, está bem escrito, numa linguagem muito boa de se ler. A única coisa que eu queria é que tivesse sido mencionado no começo que o Joaquim trabalhava na praça (e no que ele trabalhava). Não que tenha sido um grande problema (tanto que não prejudicou minha leitura) apenas seria um apenso interessante.

Enquanto caem os grãos de areia - Wesley de Andrade:

O Narciso do meu livro está mandando o recado de que quer que eu pare de mencionar o nome dele, pois ele prefere ser conhecido como "Ás". Eu digo que não estou nem aí, ele não está merecendo muitas regalias... hehehe... Pra quem não sabe, há um Narciso no meu livro, o "Doce Sonho Alado", um xará do personagem principal do conto do Wesley.
Bom, como disse, gostei muito da forma como a insanidade foi abordada. Fiquei pensando que algumas pessoas poderiam confundir as "pílulas azuis" que o Narciso toma com outro tipo de remédio (Deus me perdoe por estar dizendo isso! Hehehe...). Então, para questões de esclarecimento, são apenas remédios controlados, heim! Não pensem besteira, alados...
Também não tenho muitas críticas, só acho que poderia ter mais informações sobre o dia em que Narciso e Persona se conheceram. Imagino que seja o mesmo problema do limite de caracteres, talvez o conto ficasse longo demais.
Na primeira vez em que li, não entendi muito bem o final. Contudo, hoje, ao ler novamente, analisei melhor e entendi tudinho. Queria destacar a última frase: um golpe de gênio! Não vou falar qual é, se vocês quiserem ler, comprem o livro! Hehe...

Sob o Jogo e Novas Chances - Francine Porfírio:

Antes de falar dos contos, queria falar uma coisa que ainda não disse a Francine: tenho uma personagem no meu livro com o sobrenome "Porfírio". Mas você não gostaria de ser parente dela, pode drer. No "século" em que eu conseguir publicar meu livro, você entenderá...
Agora vamos aos contos. Eu fui meio desonesta com o conto "Novas Chances", mas agora vou explicar direitinho o que aconteceu: como foi o último que li, ainda não havia pensado muito sobre ele (tinha terminado a leitura pra lá de duas da "madruga"), então disse que não havia identificado o fator "impossível". Isso aconteceu somente porque não havia refletido muito ainda... falha minha!
A Francine explicou que: "o amor era impossível da maneira como ela queria. Amor impossível não é aquele somente que não pode acontecer, mas aquele também que não é vivido como gostaríamos/idealizamos/sonhamos". Captou a mensagem? Pois é, eu ainda não havia chegado a essa conclusão, só isso.
Em questão de escrita, eu preferi o "Novas Chances". Em questão de ideia, preferi o "Sob o Jogo". Na minha opinião, o "Novas Chances" ficou mais fluido, enquanto que o outro tinha um pequeno excesso de adjetivos. Nada que chegasse a extragar a narrativa, eu apenas enxugaria um pouco deles (questão de gosto pessoal, no fim das contas). O "Novas Chances" não teve esse problema, seria a exata forma como eu acho que a linguagem de um conto deve ser. Não tenho mais nada a reclamar, ambos são criativos e bem elaborados.

Uma vitta d'amore - Riacardo Biazotto:

Como disse no post anterior, é um conto feito com suavidade e sentimento. Pelo que o Ricardo respondeu na entrevista dele, vejo que é praticamente um espelho da própria personalidade do autor que, pelo que entendi, é uma pessoa bastante emocional.
Eu pessoalmente teria encurtado um pouco a introdução, só porque gosto mais quando a ação entra na história. Se bem que há algumas informações importantes no começo... Bom, de qualquer forma o que eu não gostei vem pelo fato de que prefiro quando os personagens interagem entre si, e não quando o narrador explica o que acontece. Preferências minhas, como eu disse.

Escolhas - Vanessa Tourinho:

Agora que conversei com a Vanessa, vejo que o conto dela foi prejudicado por causa da revisão (que não foi lá muito boa). Ela contou que no original havia uns espaços entre parágrafos que indicavam mudança de tempo, e eles foram eliminados pela revisão. Agora até consigo visualizar onde eles deveriam ter estado, e vejo que eles realmente fazem falta.
A única coisa que eu teria mudado é a posição de quando ela vai à recepção do hotel e pega o envelope, eu teria colocado antes. Mas talvez isso tenha sido causado pela retirada dos espaços. De resto, não tenho nada a reclamar.
Desculpe-me por não falar mais nada sobre o conto, é muito difícil falar sobre ele sem dar spoiler... hehehe...

Meu amor é um mito - Vivian Albuquerque:

Como eu disse, a proposta desse conto é bem ousada, por se tratar de um conto com proposta "fantástica". É um enredo criativo, gostei da forma como foi desenrolando e como também teve seu âmbito "não-fantástico". De fato, o protagonista até hoje não deve ter se decidido se o que aconteceu fora real, ou não.
Se eu tivesse escrito, não teria colocado a história se passando na Irlanda, teria feito isso num ambiente completamente fictício ou num lugar do Brasil. Sei lá, poderia ser uma fada da "Quinta da Boa Vista" que morava na gruta do xixi (kkkkk, que pobreza!). Ok, não seria exatamente lá... Mas eu teria feito algo mais brasileiro sim. Não que o fato de ser na Irlanda seja ruim, só me incomodou um pouco que a maioria dos personagens dos contos em geral tenha viajado para o exterior... queria algo mais "brasuca"!

Agora termino deixando um alerta aos escritores de "Amores Impossíveis": quero saber o que vocês acharam do meu conto também, oras! Hehehe...
Espero que vocês tenham entendido meu ponto de vista. Se falei alguma abobrinha, por favor, é só deixar um comentário que eu conserto assim que estiver online.

Amanhã tem música, não deixem de passar aqui no DSA!!!

Beijinhos Alados,
3 Comentários
Comentários

3 comentários:

  1. Dessa vez vou me focar apenas em seu comentário sobre o meu conto.
    Entendo perfeitamente o que você disse sobre a introdução, e quando o livro chegou e reli o conto pela milésima vez, senti que realmente acabei "falando demais" (qualquer semelhança com a entrevista não é mera coincidência kkkk). Interessante é que até mesmo minha mãe fez o mesmo comentário (sobre outra parte da história) quando concluiu a leitura do conto.
    Já em relação a interação citada por você, acredito que as circunstância da história não permitiriam que isso acontecesse, mas certamente a "dica" está anotada :D
    Novamente muito obrigado, Sheila.

    Beijos
    Ricardo - www.blogovershock.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá eu adoro seu blog, amo seus tutoriais.
    Mais vim aqui hoje pra pedir um tutorial que estou procurando a meses e não acho.
    Sabe essa mensagem que fica a cima do seus comentarios.

    Eu queria muito saber como coloca.
    Obrigada e aguardo :)

    ResponderExcluir
  3. Olá, Sheila! Desculpe a demora para vir comentar (rs). Vida corrida.
    Obrigada pelo carinho no seu comentário. Eu entendi agora e me sinto mais aliviada, porque é um pouco frustrante (apesar de totalmente natural) que algumas vezes haja certa distância entre o autor e o leitor. Isso pode acontecer por diferentes fatores, que não somente o texto escrito e lido. A história de vida e as preferências de gênero literário podem interferir também (rs). Faz parte. Obrigada por sua opinião!!! Ajuda-me muito a melhorar cada vez mais.
    Sucesso a você, flor, sempre!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts relacionados