Caso alguma imagem do blog não esteja aparecendo, por favor, avise nos comentários da postagem em questão!

19/04/2013

Entendendo as Figuras de Linguagem (parte III)

Hoje teremos a última parte da postagem sobre Figuras de linguagem. Garanto que será mais divertida do que foi a de semana passada... Conheceremos umas novas amigas bem legais, pode confiar!!!
Para quem não sabe do que eu estou falando, clique aqui e confira a primeira parte dessa série de postagens e clique aqui para a segunda.

Figuras de Pensamento:

Nosso objeto de estudo de hoje serão as chamadas "Figuras de Pensamento", que são: a hipérbole, o eufemismo, a ironia, a prosopopéia, a antítese, o Paradoxo, a apóstrofe e a gradação.

As figuras de pensamento são aquelas que resultam ora de uma discordância entre o sentido literal de uma expressão linguística e os verdadeiros propósitos que levam alguém a utilizá-las em determinado contexto (ironia e prosopopéia); ora de um realce que é dado a uma ideia que se quer salientar (hipérbole, antítese, paradoxo) ou minimizar (eufemismo).

Hipérbole:

Essa é uma das minhas favoritas. Quem nunca disse, quando uma pessoa se atrasou para um compromisso: "Cara, estou te esperando aqui há séculos"? A hipérbole é isso, você exagera na proporção para expressar melhor determinada ideia.

Eufemismo:

Já o eufemismo é o contrário da nossa amiga anterior. Nela, diminiu-se determinada expressão que pareça desagradável ou muito forte. É o clássico caso quando alguém quer dizer que determinada pessoa está acima do peso e diz: "Ela é um pouco fortinha".

Ironia:

Essa também é bastanteusada. Consiste em falar alguma expressão com conotação de crítica, depreciação ou sátira. Eu uso de ironia quando digo, por exemplo: "Ah, a Copa do mundo vai ser incrível, sabemos que o Brasil é super organizado".

Prosopopéia:

Este é um dos nomes mais legais, não acha? A prosopopéia é muito simples, ela acontece quando damos características humanas a um ser inanimado. Um exemplo é a seguinte frase: "O Sol cismou que castigaria a todos com seu brilho".

Antítese:

Na antítese, coloca-se em evidência ideias contrárias, através da utilização de palavras ou expressões de sentido oposto. Seria mais ou menos assim: "Seus olhos frios fuzilavam-me como o fogo". Não tenho certeza se minha frase está certa, mas é por aí...

Paradoxo:

Esse é outro amigo querido meu. Ele consiste na associação de ideias ou conceitos que que criam verdadeiras contradições, coisas que na vida real são impossíveis de existir. Temos como um exemplo clássico os versos de Camões:

"Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desetina sem doer;"

Apóstrofe:

A apóstrofe nada mais é do que quando evoca-se no meio do texto uma pessoa (real ou imaginária, presente ou ausente) como forma de enfatizar uma ideia ou expressão. Seria mais ou menos como na seguinte frase: "Até quando tardareis a entender, ó criatura de Deus?".

Gradação:

Acontece a gradação quando há uma sequência de palavras (sinônimas ou não) que intensificam uma ideia, seja ela positiva ou negativa. Ela está presente, por exemplo na frase: "O cheiro daquele lugar era acre, podre, nauseabundo".

Viu como hoje foi bem mais divertido? Com essa terceira parte, acabamos com as Figuras de Linguagem. Mas continue ligadinho, pois a coluna de Língua Portuguesa está apenas no começo!!!

Mil Sweetkisses,
1 Comentários
Comentários

Um comentário:

  1. Quando eu sonhava ser escritora...ou no tempo que fazia Letras, era um assunto que muito me interessava...e eu muito me atrapalhava rs

    Sobre IRONIA uma coisa é certe: no twitter, quase ninguém entende :)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts relacionados