Caso alguma imagem do blog não esteja aparecendo, por favor, avise nos comentários da postagem em questão!

13/03/2013

Tutorial - Como ESCREVER um livro:

Já sei o que você acabou de pensar: "Que ridículo, Sheila, você nem publicou seu livro e já está fazendo um tuto sobre isso?". Peço que, antes de tudo, você perceba que estou falando sobre escrever um livro e não publicar. Eu posso não saber ainda se minha história será aceita por uma editora e pelos bookaholics do meu "Brasil varonil"; entretanto, quanto ao fato de que consegui escrever um livro, isso ninguém pode negar (♫ don't deny, sweet sacrifice! ♫).
De uma forma ou de outra, reunirei nessa postagem algumas dicas básicas que funcionaram comigo. Pode não funcionar com você, cada um escreve da maneira que lhe é mais cômoda, mas acredito que ao menos um dos pontos que abordarei poderá ser útil.
Lembrando que essa é uma postagem amadora, não sou hipócrita ao ponto de dizer que sei tudo sobre o assunto, apenas estou compartilhando minha experiência com vocês!

Como escrever um livro:

Há um tempo atrás, eu pensava que nunca chegaria sequer a terminar meu primeiro livro. Perdi as contas de quantas vezes durante minha infância e adolescência eu iniciei um enredo e o abandonei pouco depois. Devo dizer que até o final do ano passado, pensei que não conseguiria terminar. Inclusive, durante as últimas semanas, pensei que 2013 começaria comigo ainda tentando acabar. Para mim, ter chegado até aqui é uma conquista, talvez até maior do que quando finalmente terei o livro físico em minhas mãos.
Não posso chegar à "soberbice" de dizer que escrevi a melhor história do mundo; de fato, às vezes julgo que ela é um pouco sem-graça, talvez pelo fato de já a ter lido umas trocentas vezes. Ainda assim, confio no meu "bebê", e acho que ele pode chegar a ser um best-seller, por que não? (deixe-me sonhar um pouco, benhê!).
Se você, como eu, quer lutar por um sonho parecido e pensa que talvez nunca chegue a realizá-lo... espere um pouco! Respire fundo e leia o tutorial a seguir. Qualquer um pode conseguir, desde que tenha paixão pela leitura e algum dom para a coisa.
Ah, como estou escrevendo um romance, esse tutorial foca mais na prosa. Se você estiver escrevendo outro tipo, procure adaptar as dicas à sua realidade.

Não esqueça de nunca, never, jamais divulgar qualquer conteúdo que possa gerar plágio antes de registrar os direitos autorais de seu livro.

Passo 1 - O planejamento:

Sim, eu também detesto planejamentos. Sei que é chato, mas foi por não planejar que acabei demorando tanto. Hoje vejo que poderia ter sido mais organizada.
Contudo não me arrependo inteiramente de ter demorado um pouco mais, hoje minha criatividade e minha capacidade de escrita estão bem mais amadurecidas. Basta comparar esta postagem com meus primeiros textos do DSM e você entenderá (isso tem mais a ver com uma reflexão própria, talvez não se aplique no seu caso).
Enfim, antes de começar a escrever, faça um esquema de como o livro será. Ele será único ou o primeiro de uma saga? Se for uma série, quantos exemplares ela terá? Qual será seu publico-alvo? Quais serão os pontos principais de cada livro? Todas essas questões precisam ser resolvidas antes de colocar "a mão na massa".
A primeira pergunta a ser respondida é: "Onde escreverei?". No meu caso, só consegui deslanchar quando passei a usar o computador. A grande vantagem é que pelo PC você pode escrever fora de ordem, apagar, reescrever as palavras; tudo com a facilidade de um clique e um teclar. Todavia, ainda existem pessoas que preferem meios mais tradicionais como cadernos ou a velha máquina de datilografia. Eu recomendo que você teste todos os recursos possíveis antes de eleger um deles.
A segunda interrogação é: "Quantos livros minha história terá?". É claro que durante o processo de escrita você pode mudar isso (ou ter um plano B para o caso de sua proposta não ser aceita), mas julgo essencial que você crie arquivos ou reserve cadernos para cada volume. Com isso, você pode passar para a próxima fase que é elaborar tópicos de como a narrativa se desenrolará.
Vamos usar como exemplo a famosa história curta: "Era uma vez uma vaca chamada Vitória. Ela soltou um pum, e acabou a história". Se fosse escrever um livro inteiro sobre isso, as anotações seriam mais ou menos dessa forma:
  • Apresentar a personagem principal: uma vaca, de nome Vitória;
  • O ápice do livro acontece quando ela resolve liberar sua flatulência sem motivo aparente;
  • A história terminará bruscamente, deixando na curiosidade o que aconteceu com os gases malcheirosos e nocívos à camada de ozônio.
É claro que estou abordando de forma cômica, mas é esse o caminho que deve ser tomado. Você não precisa já ter determinados todos os eventos, contudo é primordial já ter uma ideia de como será o começo, o ápice da aventura, os pontos mais marcantes e o desfecho.

O que você não precisa decidir agora (deixe para os dois passos seguintes):
  • O título do livro;
  • Os títulos dos capítulos;
  • Os nomes, sobrenomes, aniversários, características dos personagens e outras "churumelas" parecidas.

Passo 2 - A Tempestade de ideias:

Ouvi esse termo "tempestade de ideias" uma vez, por favor, perdoem-me se estiver o empregando de forma equivocada, pois não me recordo da técnica exata.
Nesse passo, você deve escrever tudo (eu disse T-U-D-O) o que vier à sua mente. Isso pode acontecer, inclusive, durante o passo anterior. Por que isso? Pois pode ser que você nunca mais tenha vontade de escrever sua ideia e acabe perdendo um trecho maravilhoso. Ou pode ocorrer o famoso "deu um branco" (ou "deu um Nox", para os potterheads) na hora de passar para o papel (ou para o Word). Se você usa o computador, como eu, mesmo assim tenha um caderno, um bloco ou uma agenda para registrar quando você estiver offline.
Quando for escrever, não é necessário que tudo já esteja numa linguagem fluida e gramaticalmente impecável. Nesse momento, apenas decida o que entrará e o que não entrará.

Passo 3 - A "Calibragem":

Não consegui encontrar um termo científico para essa parte... Hehehe...
Agora, você deverá escrever as ideias anteriores no ritmo de um romance (ou do que você estiver elaborando). Quando faltar, mais ou menos, uns 40 trechos (arredondamente falando), anote quais são eles num papel e defina uma meta. No meu caso, eu determinei: vou acabar antes que 2013 comece. Para isso acontecer, tive de prometer a mim mesma que escreveria pelo menos um trecho e meio por dia (segundo os cálculos que fiz levando em conta o números de trechos e os dias disponíveis antes do reveillon). Isso funcionou comigo pois, se eu não me forçasse a escrever, certamente adiaria as partes mais chatas para o mês seguinte, depois para o contíguo e assim por diante, e esse ciclo não acabaria nunca (♫ É o ciclo sem fiiiiim, que nos guiaráááá... ♫).

Passo 4 - A revisão:

Depois de ter escrito todas as partes do seu "bebê", chegou a hora da parte mais divertida: revisar a meleca que você fez.
Na primeira correção, tire tudo o que não for essencial. Jogue fora tudo o que pode ser inferido naturalmente pelo leitor. Um bom exemplo disso são os pleonasmos: não precisamos escrever "subi escadaria acima". Se você subiu, é evidente que foi para cima, oxe!
Depois, ajeite as pontas soltas. Faça uma leitura crítica do seu material, atentando para as partes que precisam ser melhor explicadas para que seu futuro leitor entenda.
Logo após, corrija as frases para que elas fiquem tão fluidas que pareçam uma "geleca besuntada". Mude as frases de posição, troque os termos que estão repetindo demais, elimine aquilo que pode deixar sua história mais chata do que a propaganda política. Faça isso quantas vezes for necessário, até que a ortografia e a sintaxe estejam o mais perfeitas possível. Se surgirem dúvidas, não deixe de pesquisar, o Google está aí pra isso!
Recomendo que, por último, você ache uma pessoa de extrema confiança para ser seu "leitor Beta". Dizem que as pessoas da família não são recomendadas, pois elas tendem a puxar o seu saco e não serem tão críticas quanto deveriam, mas isso fica de acordo com a consciência do escritor. No meu caso, quem vai me ajudar é minha irmã; confio no senso crítico dela e acredito que ela tem boa experiência com livros em geral (é tão bookaholic quanto eu), sem contar que não conheço ninguém mais que possa ler tudo sem querer roubar minha ideia.
Nesse momento, você deve ter pensado "para quê um leitor Beta?". A resposta é simples: nem sempre nós somos capazes de notar todos os nossos erros. Uma mente que não seja a sua poderá encontrar "as lêndias" que passaram pelo seu "pente fino", visto que nesse ponto você já estará exausto de tanto reler sua obra.

A parte de escrever acaba aqui. Quando eu publicar a continuação, será para dar dicas de "como publicar um livro", o que não posso fazer antes de conseguir uma boa editora para o meu. Espero de coração que essa postagem esteja no ar em breve!

Mil Sweetkisses,
7 Comentários
Comentários

7 comentários:

  1. muito bom esse tutorial, gostei!!

    beijos,
    http://mangrafit.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. kkkkk, adorei rsrs nunca consigo lembrar de escrever nada disso, falta-me planejamento rsrs. Sobre a rosa você sabe o que dizem sobre grandes mentes pensam parecido rsrsrs, obs: não acredito só vou te ver na bienal #xatiada, big bjus juju
    http://jujumeumundo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Muito boa suas dicas. E organização e planejamento são muito importantes. Bjus!

    galerafashion.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Publicar um livro não transforma alguém num escritor, apenas num escritor que foi publicado, mas antes de ser publicado, bem antes por sinal, o publicado já era uns escritor porque escrever não só leva tempo, como planejamento, é fato!

    Eu sou um escritora de gaveta, confesso rs. Como escritora tenho muitas ideias, mas nenhum planejamento e, principalmente, me falta foco pra desenvolver as histórias, e se para começar a escrever é necessário uma boa ideia, para terminar um livro é necessário muita dedicação pra desenvolver essa ideia. Fico contente que vc teve...

    ResponderExcluir
  5. a parte mais dura é a revisão, principalmente por ter de ser feitas muitas vezes XD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dayla acho que revisão final tem que ser coisa pra outra pessoa fazer mesmo,afinal, o escritor já tão tão acostumado com aquelas linhas que eu creio que muita coisa que ele notaria se estivesse lendo no texto de outra pessoa, no dele vai passar sem que ele note...

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts relacionados